2006-05-24

Verão de 1853: Alexandre Herculano em Viseu


Os poetas cruzam as cidades e libertam de si o azul candente da perfeição possível. Sobre o silêncio do tempo percute então uma íntima voz que é conhecimento e sopro lustral. Do lugar, de cada lugar levantam-se vultos intemporais e polidos, “pela chuva lavados”, como no poema de Villon.
Em época de jactância e de humores viscosos, são cristalinas as palavras dos escritores clássicos. Tal limpidez, fruto de uma perfeita sazonação estilística, colhemo- -la nós, muitas das vezes, em livros de viagens ou em diários. Lembro, “en passant” e em homenagem ao momento, o interessantíssimo relato de Hans Christian Andersen “Uma visita em Portugal em 1866” (agora reeditado); convoco, com particular detença, os “Apontamentos de viagem (1853-1854)” de Alexandre Herculano.
E mais se inscreve no nosso íntimo o carácter instrutivo desse textos “leves” e não destituídos de qualidades, quando, como acontece na obra alexandrina citada, os lugares citados não estão fora da circunscrição do espírito, nem tão pouco do sopro do lugar. O rasto textual dos apontamentos do escritor romântico obrigam o cultor da literatura a voltar à cidade outrora inscrita e rediviva pela dimensão da história.
O fascínio e os labirintos do texto tornado público ferem a ágora com os lugares luminosos que a arca da memória sempre conserva. Assim aquele Verão de 1853, no dia 2 de Agosto, em que Alexandre Herculano sobrepuja a cidade, instalando-se em casa de João (da Silva) Mendes, “sobrinho do barão de Foz Côa, um dos cavalheiros mais abastados da Beira e a mais nobre alma que eu conheço naquela província”, como o atesta o escritor em carta a António José de Ávila. Chegado a Viseu por volta das 10 horas da manhã, logo Herculano conclui da equipolência dos elegantes de província face aos elegantes da capital, sendo estes inferiores “nas formas que indicam a força sem danar à delicadeza.” A reflexão produzida, assente na análise dos que lhe estavam perto, na mesa, logo se continuou pelos meandros da política, falando-se, ontem como hoje, na corrupção e na desesperança. Cumprida a refeição e as obrigações costumeiras, Herculano e os amigos (para além do citado João Mendes, o irmão Francisco Mendes e Francisco de Barros Coelho de Campos) visitaram a Cava de Viriato, aludindo-lhe interrogativamente o escritor como “um acampamento romano como o de Condeixa Velha”, apresentando dela alguns outros traços descritivos.
No dia seguinte, 3 de Agosto, acompanhado pelo governador civil, Dr. Manuel de Melo e Castro de Abreu, e outras entidades viseenses, visitou Alexandre Herculano o Seminário e a Sé, deles louvando, respectivamente, a “escada singular” e a “bela abóbada ogival do século XV artesoada.” Mais comparou a mata do Fontelo à do Buçaco.
Nos dias seguintes, entre 4 e 11 de Agosto, trabalhou o historiador no Arquivo da Sé, trazendo à tona do mundo a lenda de Vasco Fernandes e novas notícias sobre a Cava (terá tido quatro entradas de cantaria; esteve fechada, com uma porta, no século XV; teve no interior a extinta capela de S. Jorge…).
Por 12 de Agosto, Herculano abandona a cidade e, com a manhã a romper perto de Cavernães, dirige-se já para o Mosteiro de Ferreira de Aves. A rescendência desta presença impoluta corre ainda em cada recanto da cidade. Da sua integridade falam, por exemplo, muitas das suas cartas. Uma delas classifica José de Oliveira Berardo como “quem deu a este país o seu Camões da pintura.”
Tal capacidade de dar o seu a seu dono é apanágio dos verdadeiros intelectuais e dos homens que verdadeiramente ensinam. Assim o diz o seu canto exilado no passo poético que cito: “Lá no meu Portugal, onde a frescura / Da ribeira perene, da floresta / Tem valor, porque o sol tem luz, tem vida!”. Vida que escorre dos cantos das cidades.


12 comentários:

konde disse...

Viseu sempre presente. Abraços kondais!

Mendes Ferreira disse...

ainda deviam oferecer-lhe um prémio pel que nos dá...neste espaço....sempre demonstrativo de um profundo amor à palavra.


______________________________

um beijo. eu agradeço.
bom dia Martim.

Francisca Manson disse...

Como era bela a nossa rua Formosa! Boa-tarde!

Carlos Thor disse...

Os poetas perderam a sua vida inteira na erudicidade dos seus sentimentos
Perderam-se os valores da razao, vencendo-as com o coraçao!

francisco manson disse...

A Ideal ainda existe??????
Abraço

porfirio disse...

:

quando ainda se escrevia VIZEU

abraço

Mendes Ferreira disse...

ESCORRI.



PARA UM ABRAÇO.

BOM DIA MARTIM.

martim disse...

francisco manson, infelizmente a ideal já não existe. abraço.

Anónimo disse...

Very pretty design! Keep up the good work. Thanks.
»

Anónimo disse...

I really enjoyed looking at your site, I found it very helpful indeed, keep up the good work.
»

Anónimo disse...

I find some information here.

Anónimo disse...

Especially I like the first site. But other links are informative too, if you are interested check all those links.http://google-machine.info/753.html and http://indexmachine.info/908.html