2006-05-17

morta

c. portinari

Como a flôr delicada, ou nuvem côr de rosa

Que um temporal desmancha e o vento dissipou,

Assim ella tambem, fina flôr luminosa,

Branca nuvem, no azul se desfez e passou.

(Alexandre da Conceição, Outomnaes , 1892)

_________________________

Foi mantida a grafia epocal.


4 comentários:

Carlos Thor disse...

A minha flor perdeu as pétalas brancas e com o desgosto do coraçao... nasceram petalas de fogo!

Eu ja caí nas sombras!

Agora é dificil de voltar!

francisca manson disse...

A pintura é muito bonita e as palavras do poeta não ficam atrás! Boa-tarde!

konde disse...

Mais uma bela evocação de um poeta esquecido... Abraços!

porfirio disse...

boa noite martim

:
de tamanha beleza
chega a ser ignóbil
arrancar-lhe folhas
.

abraço