2007-02-20

pedra sobre pedra

a noite vem e declina funda nos miósporos
o júbilo percorre então o corpo que sustém
as colunas da casa e o aroma do vinhático.

cintilam os líquidos e a resina do pinho
rebenta nas veias enquanto lábil a linfa
cobre o mármore e os membros vívidos.

no chão uma pedra cicatriza o tempo ácido.

9 comentários:

teresamaremar disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
teresamaremar disse...

Os aromas despertando o corpo

para que discorra

e as seivas circulem


assim não se faz pedra
não arrefece o mármore

e o tempo será dócil.


beijo

(um lapsozito levou-me a apagar o comentário anterior)

Anónimo disse...

um tempo ácido lacra para sempre a resina indócil de quem assim escreve.




e mais?



melhor é impossível....!!!!!!!!!!




beijo.



readmirando o aroma intenso.


Martim.









isa.

hfm disse...

tão forte e tão belo!
um final de uma poética forte na palavra, no som e no imaginário.

duke disse...

Assim se fazem catedrais...

porfirio disse...

.
.
.
júbilo:
o que
sinto

__________________________________
hirra, a música é viciante

tá-se bem aqui

mas tenho que ir indo
__________________________________

abraço
e
bom entrudo

konde disse...

Muito bonito e ambiente musical soberbo. Abraço...

Vítor Amado disse...

Um dia os miósporos um dia...
bom "carnevale".
abraço

duque disse...

Bom tempo por aqui... Intenso...