2007-02-04

ocaso

lembram os ossos da casa
os órgãos vivos vibrando
e nem o súbito verão aí
exuma os fumos da noite
o leve terror e os silvos
o ocaso das palavras certas.

6 comentários:

hfm disse...

Repetitivamente digo-te que gostei muito. Há poemas bons, há poemas bem escritos, há poemas que seguem todas as normas, há poemas... e há poemas que tocam no fundo de nós - os teus.

Mendes Ferreira disse...

a H. disse tudo.~

como só ela sabe.



um abraço.


rendido.

duk disse...

Consigo e com estas palavras certas. Abraço...

pn disse...

zénite, meu caro
as certeiras caem a pique.

Susana Barbosa disse...

...das palavras certas. do ocaso ou não, Martim, estas são portentosas.
bjs

Duque disse...

Ocaso sem acaso: grandes palavras! AbraçO!