2007-01-16

exercício límpido

de repente também um salto no tempo
e um corvo mudo olhando as roupas
libertadas e os corpos sangrando na areia.

súbita uma folha que o vento trouxe morre
no mar no sal que diz a tua vida como no
texto de wilde - feixe húmido de sentido.

em arco a groselha e o dia brilham em ti.

encostada à amurada ao aroma do café
narro-te a minha vida e tu compreendes.

8 comentários:

Anónimo disse...

Sempre em crescendo, sempre belo!

duk disse...

Belíssimo salto... Abraços...

Anónimo disse...

"encostada à amurada ao aroma do café", linda aliteração e lindo, lindo poema que une as pontas do tempo! Um dia com um sol maior para ti!

Susana Barbosa disse...

"solidariedade". digo. sempre um salto que vale a pena!!
Bjs

Y. disse...

compreendo que esta folha diz o sussurro.


branco e sossegado.


e "subo de novo à montanha".




beijo. Martim.

konde disse...

Verdadeiramente interessante. Abraço.

Anónimo disse...

E de súbito...num esgar... a morte...

Bjs. Boa semana.

Y. disse...

e vim de olhos a abanar...nada na Fnac...

será que tenho de ir a Vizeu????



beijo.