2007-01-18

epigrafia

nas mãos cai a noite
o riso opalino branco
o rosto breve punho
em flor nos lábios.

e o dia acontece
como se a memória
não estivesse aqui.

nos dedos o deus sentado
morre na aura das mãos
renascendo pétreo
no tempo epigráfico.

3 comentários:

konde disse...

Bonita escrita da pedra...

Anónimo disse...

Mes hômages, monsieur par votre si belle écriture! De la plus fine dentelle du désir d'aimer! Bonne nuit.

Mendes Ferreira disse...

"epigrafo-me" aqui.




sentada no lado mais sombrio da mão.


para melhor recolher o sumo. do tempo. daqui.



_______________beijo Martim.

obrigada.