2006-11-16

O Dia da Filosofia & José Luandino Vieira




Foi um Nietzsche quem, há muito, anunciou o defeito hereditário dos filósofos, traçando um novo rumo em direcção ao filosofar histórico e à virtude da modéstia. Tenho amado os filósofos com os seus vícios e defeitos, encontrando muitos deles nos músicos, pintores, escritores e poetas, principalmente nestes. José Luandino Vieira é um logoteta admirável e um dos mais virtuosos escritores de toda a literatura de expressão portuguesa, de todos os tempos e lugares. Autor de estórias que são romances, novelas e contos, espanta sempre o lirismo dos seus textos e a plasticidade da linguagem. Capaz do melhor silêncio e da modéstia sincera, José Luandino Vieira, ao publicar recentemente O Livro dos Rios, reocupa um lugar que sempre foi seu: o dos escritores únicos. Profundo e filosofante, esta primeira parte do seu romance traça "o caminho do homem na morte..." Poderia um filósofo outro dizer melhor?

3 comentários:

Mendes Ferreira disse...

único lírico algo telúrico e puro!

Um poeta da filosofia ou a filosfia perto dentro das mãos. como o Martim....:))) que tudo conjuga.


beijo.

konde disse...

Muito bem pensado, penso! Abraço...

Franceska disse...

Não conheço ainda, mas sigo a pista. Beijos!