2006-11-26

arde em gaia



[porto visto de gaia & deathstars por martim de gouveia e sousa. direitos reservados.]
no vidro das águas o cianeto sobe ao rio
linfa cerebral que dentro brilha, vês?
as aves de néon cobrem o douro
e a superfície aquática magentada
nada espera do dia acabado.

então as nuvens descem à corrente
como o douro é mississipi dentro do copo
e nem o jack daniel's é gelo nem o club hard
nem a pele estala no dorso da pedra
que tudo se espera da noite entrada.

um vidro gótico fende o braço os dentes
e o algodão da alma brilha no escuro.

súbito silêncio arde nas crateras da praça e irrompe o fumo
perto das narinas as pautas musicais acantonadas
o estrondo eufónico sangrando.

e um corpo e uma pele rubros.

8 comentários:

Anónimo disse...

Hoje na Cabotagem há qualquer coisa daqui.

duke disse...

Esplêndido momento bloguístico!! Abraço.

konde disse...

Bonita viagem espiritual e física...

JC disse...

A arte existe por estas bandas. Até breve. JC.

duque disse...

Como é difícil acompanhar convenientemente este interessante blog! Obrigado.

Anónimo disse...

belo.


muito.



límpido. sem fumo.



beijos.



_______________do Mário não falo.


(era um Amigo. é um Amigo....e já vamos mais comer sopa de baldroegas...:((((.


morreu. anunciadamente.... eterniza-se. AnunciADAMENTE.


Bom dia Martim.




isa.

conde disse...

Este poema ... é belíssimo...

Anónimo disse...

errata: (e já nunca mais iremos.....)



_____________________


desculpe. Martim.


beijo.




isa.