2006-11-21

memória de um grito

cinza sobre a água em espelho
traz o próximo céu a noite vindo
e são os promontórios aéreos
despenhando-se no rio nas vagas
o mais quente afago dentro da pedra.

os braços mastros escorrendo
o inverno nas janelas a sombra
na voragem onde o frio ainda.

agora a estrela brilha dentro da boca
ardendo na língua no justo sal
e os corpos e os dedos bailam.

a saliva corta os dentes a prumo
e só o sangue e a linguagem
dentro da memória dentro.

5 comentários:

Susana Barbosa disse...

que para sempre brilhem... as memórias. eternas dentro de nós.

Franceska disse...

Ah, os fabulosos Cradle...

pn disse...

pedra afago frio
corpo que a memória corta...

a rasar o ceu disse...

enormíssimo saber sentir/dizer/

num sussurro gritante.





.


Martim. Beijo.

veritas disse...

Senti...deveras...por isso tenho sempre de voltar em busca de mais. Obrigada!

Bjs.