2006-11-18

a.q.e.l.a.l.u.z.e.


a.q.e.l.a.l.u.z.e.

Re sonho te nu(a) (s) sons e s(n)ós. Em dia a-dia ar-dor.
Aquela luz(e)

Fulva a cabeleira cai (ía). No dorso sua (do) adeja? Alv ura(s).
Aqu.ela luz(e)

que se fulge. Estremece cim tu grito ado. Ânsias. Arquejo rouco
harpejo.ado. Ah! o ai tão demorado. Quanto o tempo. Ora espaço.
De t(m)eu corpo nus.nossos. Duro. Durado (tinha) tan.to em tão pouco
foi e quero re.petir. Petio. Pé(tu)la toda tu.

A.qu’ela luz(e)
de fogo e cal(do). T-ser tecido em ti. Ai ter(te)! Sede(a). Pen-entrar.
Te. Tu. E(t)u. Sal. Sol. Só(s) sem cesse(ar)-te. D’espoj(ar-te) do cont(o)’ido tempo a m+ais.
Perder(dur)ar-te.

Aq.ela lu(z) (e).
Aquém e ela. eelaaquém. Já há tempo de ter-ser. Ser-te as.sim
mimo e bulha. Fogo. Fuge. Ard(ua)t.ar.efa. Te-ar. Te-cer. Ter-te. Aí (i).
Só(f(e)rido) desejo. In.sâ(ó).nia(o). Só(s).

a.q.e.l.a.l.u.z.e.



Paulo Neto, Viseu.
Quadro de C. Favo.

3 comentários:

amadis / pintoribeiro disse...

Bom fim de semana.

Mendes Ferreira disse...

Martim....................!






consecratório.




beijo.

Su disse...

anseio.........
jocas maradas de palavras