2006-09-08

ainda Anrique Paço d' Arcos

Agradece-se a José António Barreiros a simpática menção a "Ave--Azul". Mais do Poeta, pois, em
sítio de bela e arrebatadora escrita. E outros do JAB existem que o comprovam.
De Cidade Morta (1939), deixa-se o incipit do anriquino soneto "Hora Final":
Dentro de mim, há cânticos de sino
Dentro de mim, há sinos a dobrar...
Caminhos que eu andei dentro de mim, sem tino...
Alma - novelo ainda por dobar...

6 comentários:

porfirio disse...

boa-noite Martim!

descobri Anrique por ti
e fiquei deslumbrado.
embora não seja de admirar,
visto ser um seguidor e discípulo
do tb imenso Pascoaes
...
gosto particularmente
de Estrada Sem fim.

Abraços

konde disse...

Gosto muito do "Peregrino da Noite". Abraço...

hfm disse...

"Caminhos que eu andei dentro de mim, sem tino..." e silenciados.

É bom vê-lo recordado.

A.J.Faria disse...

Há caminhos dentro de cada ser que nunca serão verdadeiramente trilhados...
Abraço

Su disse...

Alma - novelo ainda por dobar...


jocas maradas ..cânticos..de mim..

Anónimo disse...

bom saber que os "meus" Amigos se descobrem.....:))))).


beijos Martim....

e esta do Jab é bonito!!!!!!!!

____________________saudades.


isabel mendes ferreira.