2006-12-05

5 de dezembro

uma lâmpada no arco morre agora
enquanto neve cai na pauta intensa.

adagio alla breve cobre a pedra
abraçando as vozes a morte vindo.

filatelicamente o denteado
da pele o acetinado da noite.

com febre digital a ilha dos pavões
contempla o sonho a velha galera.

do fundo tempo um corcunda anão
atira ao tímpano um grito longo
do umbigo então a cidade morta.

uma força ainda no espelho dos olhos
curta agora a sombra cai em saint-marx
abalando o mundo e os seus vestígios.

5 comentários:

veritas disse...

Admiro-o...ando a desfrutar os trechos mais apetitosos com o meu filho de 6 anos...de pequenino se torce o pepino...

Bjs. Boa semana.

Susana Barbosa disse...

... uma força...
para continuar. sempre!

bjo

duke disse...

Irresistível música... também de palavras, claro. Abraço!

conde disse...

Mozart sempre vivo!!!!!!!!!!!!

Y. disse...

do fundo do tempo para o seu tempo. Martim.

_______________

nem me atrevo a dizer mais...
_______________

beijo.