2006-02-25

os peixes secam debaixo da chuva


O nosso director (Jornal da Gata) estagnado,
à chuva, numa rua de Toledo (Foto Aveazul)

na secura da chuva os peixes morrem. dos cavalos negros o verniz do suor afunda. nem o trigo fora da terra nem a seara dentro do corpo. de novo a água dentro da fonte e o cano podre na terra. o sol morre dentro da noite e a chama acende a madrugada. corro parado dentro da chuva. amanheço agora no charco do vento. na secura da chuva estou em toledo.


5 comentários:

spartakus disse...

isso fica aonde?...e chove? faz frio?...brrrr, mau dia Kamarada.

Mendes Ferreira disse...

amanhecer no charco do vento....



onde se fazem searas de aço?


bom carna val.....vale?

beijo Martim.

alice disse...

afinal, foi para aqui que a chuva fugiu...
eu vim só matar a sede
beijinho,
alice

Anónimo disse...

A Negrita já é capa de jornal? Viva a minha gata!

porfirio disse...

entre
«o verniz do suor»
e
«o cano podre na terra»
ouço
«salt peanuts»
do Dizzy

abraço