2006-02-22

ninguém se lembra


Não podendo agradecer a todos, de viva voz, convosco brindo nesta data de que "ninguém se lembra". Dentro ou fora do bando desta "ave", corpo silente que insiste, não tenho palavras para o que neste dia se tem passado no telefone e no mail, em directo e em diferido. Aqui, a todos retribuo e reagradeço, também espantado pela amizade plantada, com um espantoso poema de Luís Miguel Nava, ínsito em Rebentação (1984):
NINGUÉM SE LEMBRA
De quem ao coração vai buscar água
ninguém se lembra nem
de quem por tê-lo
pregado à pele mostra os seus pregos ferrugentos.

2 comentários:

porfirio disse...

«existir não é pensar, é ser lembrado»
T. Pascoaes

e Luis Miguel Nava estará sempre vivo e será relembrado cada vez que bebermos as suas infusões imagísticas materializadas em poemas, verdadeiros relâmpagos na poesia portuguesa e não só...

abraço

Mendes Ferreira disse...

..."A ABRUPTA TRANSPARÊNCIA dos sentidos"....



lembro.-me.



boa noite. Martim.