2006-02-08

A estrada e a voz de Orlando da Costa (1929-2006)


Por tuas mãos desnudas
Por nossas mãos dadas
Pelos silêncios dos vivos
E Whitmans da América
Pelos farewell dos Nerudas
E por todas as anginas em peitos de Hikmet
Pelas vozes de Guernica
E pelos silêncios do Douro
Por tudo isto amor por tudo isto
- Esta flor de sangue
de sangue que te dou

(A Estrada e a Voz, 1951)

3 comentários:

Mendes Ferreira disse...

viva!


(voz de sangue....voz que perdura)

bom dia Martim.

spartakus disse...

guernica?...hum...bom dia Kamarada.

porfirio disse...

boa noite.

farewell Orlando. bem, este ano caiem muitas folhas da literatura portuguesa.

aquele abraço