2006-01-23

mesmo quando tudo começa com a pista

mesmo quando tudo começa com a pista. e, no entanto, sabemos que este conceito de pista anula o seu próprio nome e que não pode existir uma pista original, disse derrida, mesmo quando tudo começa com a pista. também novalis disse que a língua é um mundo à parte. assim uma parte do corpo, do fim do pontão, nítida e articulável, à língua traz a parte doce do prato. filógomes ergue a parte à frente do vulto esquivo, sem pista, cinza trabalhada por dedos hirtos. dois deles no prato adivinhando a figura de tempo póstumo. monteiro mor imagem dentro do filtro do vidro aponta desatento. atrás um amigo: desintencional partida do momento. por isso sem
Ao CRMonteiro, pela objectiva do objecto de "design"
pista. disiecti membra poetae. assim a pista, assim a língua. quod erat demonstrandum. tudo isto inventado, tudo afinal passado em volta de um almoço sofrível em conversa de bites encaixada no lugar da consciência, dentro da memória. mesmo quando tudo começa com a pista de um nome que resiste ao sentido. que nasceu dentro do nome.

4 comentários:

Mendes Ferreira disse...

..é é dentro de um nome que se pode encontrar todo o sentido....

b.e.i.j.o.

Miguel Sanches disse...

No nome. Abraço monarquista.

porfirio disse...

boa noite.

tb burroughs nos anunciou que a linguagem é um vírus...

abraço

sonia r. disse...

Boa tarde Martim.
Bjos.