2006-01-14

a fábula e o espelho

aceitam-se comentários a Uma fábula de António Franco Alexandre. para discussão. boas leituras, pois.

5 comentários:

sonia r. disse...

Boa tarde, Martim. Bom fim de semana. Bjos.

martim disse...

Aos leitores dedico o início fabular poderosíssimo:

"Assim como o tempo passa
já posso ser o que sou
breve chuvisco de tarde
nublado pela manhã
sol em neve declinado
seco mar fresca aridez"

relampago disse...

hum hum

bom fim de semana Martim.

a fábula é boa. fresca aridez?

B.

porfirio disse...

«Um mundo azul e negro, onde navegam
vivos cardumes, sob o tecto intacto;
atrapalha-me a roupa, e o sangue que
lateja sem sentido contra o peito
um outro antigo mar aprisionado;»

um abraço

martim disse...

"De ti nunca me despeço
minha sede meu senhor"