2006-08-11

Ana de Castro Osório: o discreto e actuante exemplo de uma mulher distinta


Há mulheres assim. Certas do seu destino de escritoras - e pense-se como a palavra escritor vai gasta na nossa praça de vaidades -, rompem pela vida com a força silenciosa dos cometas. Não olham para trás, não se recobrem flebilmente na influência materna, são elas, sem alarido, oficinas de palavras e vulcões da pele.
Ana de Castro Osório é uma escritora distinta. Nascida em Mangualde no dia 18 de Junho de 1872, desde cedo se divisam precoces aptidões literárias e multiformes ensaios para o futuro. Filha do juiz João Baptista de Castro e de O. Mariana Osório de Castro Cabral de Albuquerque Morais, facilmente encontrou a ambiência cultural e intelectual própria dos predestinados e propiciadora da ars scribendi, não sendo despicienda para a anterior circunstância toda a carga genética dos ascendentes cultos inscritos na árvore genealógica da escritora mangualdense. Aliás, tal pregnância cultural espelha-se na linhagem literária que principalmente a partir de si se afirma: irmã do poeta Alberto Osório de Castro ( 1868-1946), Ana de Castro Osório casou em 1898 com o poeta Paulino de Oliveira ( 1864-1914), tendo sido seus filhos os escritores João de Castro Osório (1899-1970) e José Osório de Oliveira ( 1900-1964) - que casou com a escritora Raquel Bastos ( 1903-1984) - e seus netos o dramaturgo João Osório de Castro (n. 1926) e o poeta António Osório (n.1933) – este, seu sobrinho-neto.
Iniciando por Setúbal a sua carreira de escrita em colaborações dispersas por periódicos, pelo menos desde 1895, publicou Ana de Castro Osório, a partir de 1897 e até 1935, uma obra em fascículos numerados, com o intencional título Para as crianças, o que lhe valeu a honra de ter sido e ser considerada por muitos como a verdadeira matriz da literatura infantil em Portugal. A actualidade do projecto da escritora é evidente e nele divisamos amplamente os postulados funcionais que Teresa Colomer ( 1999), Professora da Universidade Autónoma de Barcelona, condensou na tríade acesso ao imaginário colectivo, aprendizagem de modelos narrativos e poéticos e socialização cultural. Tal preocupação teve-a há muito a nossa escritora, sendo certo que o monumento literário criado, trabalho de cerca de quatro décadas, conglomera harmoniosamente contos de tradição popular, recriação de contos de Andersen e Grimm, originais osorianos, adivinhas e outras modalidades que encantaram as nossas crianças em época de secura e de escassa atenção aos interesses dos mais novos.
Para as crianças é um trabalho muito importante no âmbito da literatura para a infância e constitui, no dizer de A. J. Ferreira, "um caso-limite entre o livro e o jornal ". Muito tempo antes, o poeta Carlos de Lemos, numa das páginas da sua revista simbolista Ave-Azul (1ª Série, 1899), escreve que tal produção osoriana "é a revista das creanças" e "é uma publicação que todos os paes devem assignar para seus filhos". E será ainda em Ave-Azul e nesse mesmo ano que Beatriz Pinheiro (directora. com Carlos de Lemos, seu marido, da ilustre revista viseense) virá a fixar com palavras certeiras o lugar que Ana de Castro Osório deve ocupar no panorama literário português, bem como o assento que lhe deve ser reservado na dita literatura para a infância e a juventude. Depois de salientar a sua alta inteligência tornada acessível às rudimentares inteligências das crianças, através de uma simplicidade estilística que não perde o encanto e a subtileza, Beatriz Pinheiro destaca a superioridade da argúcia de Ana de Castro Osório que "tão bem soube comprehender essa necessidade de praser intellectual que se faz sentir na creança como no homem."
Colaborará ainda a escritora mangualdense na revista de Carlos de Lemos e Beatriz Pinheiro, aí publicando, em 1899, um fragmento do romance Ambições (1903) e, em 1900, o conto "O Magusto", o que atesta, não obstante a sua vivência sadina, as boas relações da reputada artista com a cidade de Viseu.
Louvada por Tomás Ribeiro, a sua obra literária integra-se sistemicamente no neo-romantismo vitalista-emancipalista e lusitanista, tendo ficado célebres obras como o romance Ambições (1903), a novela O Direito da Mãe (1925) ou o texto dramático Bem Prega Frei Tomás (1905). Deixa ainda abundante produção bibliográfica sobre questões sociais e educativas e valiosíssima criação no âmbito da literatura infantil. Em 1925, as suas obras pedagógicas e infantis haviam vendido cerca de cento e cinquenta mil exemplares, o que não deixa de ser espantoso.
Fundadora do "Grupo de Estudos Feministas" ( 1907), activista e co-fundadora da "Liga Republicana das Mulheres Portuguesas", sub-inspectora do Trabalho Feminino (1ª República, Governo de Afonso Costa), colaboradora do governante citado na elaboração da lei do divórcio, fundadora da revista feminina A Sociedade Futura, fundadora e directora da "Cruzada das Mulheres Portuguesas" (1914), criadora da instituição "Madrinhas de Guerra", fundadora da editora Edições Lusitânia, condecorada com a Ordem do Mérito Agrícola e Industrial (a Ordem de Santiago recusara-a anos antes), conferencista e doutrinadora, é Ana de Castro Osório uma figura da cultura portuguesa que não pode ser esquecida.
Acme da nossa circunstância e não só, celebre-se Ana de Castro Osório e a juventude de mais de novecentos anos do foral henriquino mangualdense, no eco do avisador passo poemático de António Osório, que é, também, infungível grito contra a obscuridade: "Entre infindáveis abutres, / de levante em levante, / entre a pátria e o exílio, / de barranco em barranco: // EMPAREDADOS."

5 comentários:

hfm disse...

Gosto de ver reavivada a importância desta mulher tantas vezes esquecida.

Não sei porquê veio-me à lembrança Branca de Gonta Colaço.

Mendes Ferreira disse...

há...há mulheres assim e Martim assim que alteia o nome da singularidade.


beijo e obrigada.



até Martim.

Su disse...

gostei de ler.te...

"há mulheres assim...rompem pela vida com a força silenciosa dos cometas"

jocas maradas menino sábio

Anónimo disse...

Where did you find it? Interesting read wellbutrin and weight Valium depolarize or hyperpolarize Zoloft for pms Far infrared kit sauna Contact lens online searching Blonde vagina Red karma tv

Anónimo disse...

You have an outstanding good and well structured site. I enjoyed browsing through it Buy to ultram where http://www.malpractice-9.info microsoft it training course How long does buspirone side effects last discount contact lenses free big cocks for mom management training seminar merchant processing account