2005-12-06

uma fenda no nevoeiro

abre-se o silêncio ao fogo da paixão. um corpo destro está na mesa. alongado por mim dentro sobre o prato. longe são os gritos da infância. em volta a linfa cobre a linfa e o homem é de novo bicho do homem.

1 comentário:

Pinto Ribeiro disse...

Bom dia Kamarada. 1 abraço.