2005-12-11

do teu corpo nascem as florestas

do teu corpo nascem as florestas. e às florestas voltas depois de cada osso mandibular. nem o sangue coalha dentro do luar. dente por dente e dedo por dedo. a gordura do tempo és tu, pássaro comendo a asa e os dias por chegar.

5 comentários:

Mendes Ferreira disse...

"....E OS DIAS POR CHEGAR..." os dias que esses sim comem tudo....bjo.

porfirio disse...

"a gordura do tempo és tu"... há quanto tempo não lia um verso deveras original na poalha poética que habitamos... digo mais, alucinante - go on Kamarada, 1 abraço!

Mendes Ferreira disse...

....pássaro....bom dia.

sonia r. disse...

E sendo assim, boa tarde outra vez.

Pinto Ribeiro disse...

já num há gaijas nuas?....ora boa noite. kultura. brrrrrrrrrr!!!!