2005-11-22

A genialidade trágica de Rodrigo Emílio

volta a voz. dita assim "como carvão aceso numa urze em flor":
"(...Enquanto eu desço os teus braços
Numa sede de dedos inocentes...)"
(Rodrigo Emílio, As lágrimas ancoradas à sombra do amor)

2 comentários:

Pinto Ribeiro disse...

PARABENS MARTIM POR Trazeres este poeta. 1 abraço.

Mendes Ferreira disse...

"ENQUANTO EU DESÇO DOS TEUS BRAÇOS..."TÃO BONITO. TÃO DOCE..AO MENOS ISSO....BOA TARDE mARTIM. BJO.