2007-07-27

Revistas y Guerra 1936-1939



4 comentários:

Susana Barbosa disse...

boa semana Martim. bjs

Naeno disse...

MEU RIO

Chore não
Um rio não morre à toa
Corre na terra e não voa
Rio não é avião
É só um leito assentado
Eternamente pousado
Entre as agruras do chão
O rio é um berço da infância
Onde se banha a lembrança
Do nosso corpo molhado
O rio é uma estrada d’água
Onde lavamos a mágoa
De um sonho não consumado

Falo do meu próprio rio
Rio que já faz tempo
Vai morrendo pouco a pouco
Vai pouco a pouco morrendo
Falo só desse rio
Que deságua no meu peito
Cheio de peixes graúdos
E de meninos pequenos
Falo de um rio bonito
Que existiu noutro tempo
E hoje persiste mito
Pela poesia que invento.

Um abraço
Naeno

Anónimo disse...

http://prixviagrageneriquefrance.net/ viagra generique
http://commanderviagragenerique.net/ vente viagra
http://viagracomprargenericoespana.net/ comprar viagra
http://acquistareviagragenericoitalia.net/ viagra

Anónimo disse...

http://prixviagragenerique50mg.net/ viagra generique
http://prezzoviagraitalia.net/ viagra acquistare
http://precioviagraespana.net/ viagra precio